Ao molho pesto

Manjericões recém-colhidos da varanda e meio desfocados, tudo culpa minha

Pra te acompanhar

Não há nada melhor do que chegar em casa e ter uma coisa gostosa pra comer esperando você. Era a coisa que eu mais gostava quando chegava dos dias longos dando aulas. Tinha uma ansiedade tremenda; imaginava que só podia se parecer com a sensação dos atores antes de entrar no palco. Era sempre assim, mas nalguns dias minha “peça de teatro” parecia mais difícil de se encenar. Nesses dias, tudo o que eu queria era um prato de comida gostosa, uma boa conversa, uma bebida pra acompanhar.

Desde a mudança para o interior, esse fardo das apresentações teatrais da sala de aula não mais ficaram ao meu cargo, mas nas mãos do meu companheiro. Não contracenamos, mas nem por isso deixo de pensar no seu espetáculo. Particularmente essas últimas duas semanas, tudo parecia meio arrastado. E nada melhor do que… fazer o que eu mais gostava que fizessem por mim. Escolhi macarrão com pesto. Macarrão porque se tornou uma comida especial depois que a gente sempre faz a massa fresca em casa. E é muito bom que seja assim. Pesto porque é um molho fácil, gostoso e tinha muito manjericão no jardim-varanda da casa.

O pesto original, diz a lenda, é uma criação da região de gênova, na Itália. A criação deu tão certo, que passou a ser copiada por várias outras regiões, alterando as proporções. É uma receita simples, camponesa, e que foi inventada pra se usar o que tinha à mão. Chama-se assim por que remete ao verbo pestare, de macerar, triturar, espremer. Era feito colocando o manjericão num pilão e socando junto com castanhas, alho e queijo. As castanhas da receita eram os pinoles, um tipo de castanha bem miúda que cresce por lá. Aqui, o melhor é replicar não com os pinoles, nem com pilão, mas com tudo o que se tem à disposição. O ingrediente mais indispensável dessa receita eu te conto: a simplicidade.

Já testamos várias castanhas em substituição e a ganhadora foi a castanha de caju. O sabor é um pouco mais doce, mas muito agradável, e a textura é bem aceitável comparada aos pinoles. E usamos um processador, mas valeria testar também um liquidificador, porque não? O que vale é manter essa essência de não tornar a vida mais complicada do que precisa.

Você pode também fazer uma testagem como a nossa – eu garanto que essa é uma experiência divertida. Pra gente, a castanha do pará e a macadâmia tem uma textura muito farinhenta, que não ficou boa não. A amêndoa, se você tirar a pele antes de usar, é bem razoável como substituição, mas é importada (e trabalhosa, já que é preciso tirar a pele); as nozes (pecãs ou comuns) são amargas demais. Por isso, venceu o caju.

Você pode ir mais longe nessa comparação e se divertir um pouco mais: pode fazer um concurso de pestos com os amigos. Já tivemos essa ideia, e tenho que admitir, nosso pesto foi o ganhador entre outros 3. Não é pra encher minha bola não. O que vale é fazer, afinal. A receita aí é pra dois, que éramos os que estavam em casa hoje:

2 molhos de manjericão
1 dente grande de alho
2 col. sopa cheias de castanha de caju
1 col. sopa de parmesão
azeite até cobrir



No processador, a quantidade de manjericão; o molho pronto, para ser servido; e a quantidade de azeite, bem de pertinho.

Eu falei de palco, representações e teatro; eu sou uma mentira mesmo. Essas quantidades aí: inventei agora. Eu detesto cozinhar com medida. Mas mais ou menos como guia essas quantidades servem, viu. E o queijo, eu nem sempre ponho. Hoje eu não pus. O pesto pode ser sem laticínios – vegan – e não precisa de nada mais pra ficar delicioso. Nosso segredo, além da já mencionada simplicidade, é deixar que o manjericão seja o ingrediente mais abundante, e mais aromático.

Você também pode estar se perguntando: e a simplicidade de se fazer a massa em casa, não é outra mentira que complica o que podia ser simplificado? Não dava pra comprar pronto? Tem coisa que parece simples na prateleira do supermercado, mas na verdade ó, nem é. Fica pra outro dia essa prosa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s