Cidreira não é só pra chá

A cidreira é um nome popular que, como muitos outros nomes populares, acabam se repetindo para nomear várias plantas diferentes e por isso podem confundir a gente.

Ao menos 3 plantas recebem o nome de cidreira. Todas elas tem em comum um leve sabor cítrico, e por isso a designação. As três são de cultivo fácil e usadas comumente pra se fazer chá, mas não precisamos nos restringir a esse uso. Ela também fica muito bem batida com frutas. Se uma planta é segura pra comer, o negócio é experimentar.

Esta cidreira das fotos especificamente é a da espécie Lippia Alba, e é conhecida também como cidreira de árvore, cidreira de folha ou cidreira brasileira. Apesar do “de árvore” que acompanha seu nome, ela é apenas um arbusto, e dá pra cultivar em espaços pequenos. Em geral você vai encontrar informações por aí recomendando que essa cidreira precisa ser plantada no chão pra dar, mas posso dizer que venho cultivando cidreira de árvore em vasos há mais de 5 anos e me deliciando com elas.

O que você precisa garantir é que ela tome algumas horas de sol por dia – 3 horas é suficiente, mas o ideal seriam cerca de 5 horas. Quanto mais sol, mais aroma as folhas devem ter.

O vaso pra cultivo, no entanto, não pode ser muito pequeno. Essa cidreira solta galhos compridos e flexíveis, que podem ficar caídos, e por isso podem ficar bem interessantes em um vaso grande ou jardineira na janela, por exemplo. É como sempre tenho cultivado, e o único cuidado é não deixar o galho entrar na janela do vizinho.

Ela não é uma planta exigente com solo, e por isso produz muito sem tanto cuidado. Gosta de água e tem uma floração muito bonita, em forma de pequenos buquês cor-de-rosa. A folha é levemente peluda, e só da gente tocar sentimos o cheiro. Dá vontade de encostar toda vez que passamos, e nada melhor do que uma coisa assim pra gente ter em casa.

Fazer muda também é muito fácil: é só enterrar parcialmente um galho que ele logo brota (este processo se chama estaquia). E o melhor de se cultivar é que a gente acaba ficando criativo pra poder aproveitar tanta folha que vem.

Além dos chás, um uso bem interessante pras folhas de cidreira é nos sucos.

Suco de maracujá com cidreira é uma experiência. O gosto dos dois combinam bem demais. A cidreira é levemente amarga, então é bom não exagerar na quantidade de folhas. No suco, o amargo não é o que predomina; o aroma lembra discretamente o lúpulo. É só bater a polpa do maracujá com as folhas, adoçar com mel ou o que você preferir, e coar, para retirar os pedaços de semente. É simples, mas é algo tão memorável que não podia deixar de registrar.

O que fazer com tanta casca de limão

O limão é uma fruta generosa, que dá o ano todo e tem muitas utilidades. Dá pra fazer suco, tempero para saladas, sobremesas, substituir fermento químico junto com o bicarbonato e até pra adicionar na máquina de lavar quando as roupas são escuras pra não perderem a cor.

Quem tem uma composteira em casa sabe que a casca desse tanto de limão – de todos os  cítricos, na verdade –  costumam ser um problema. A acidificação que ela causa é ruim para as minhocas, e por isso, é bom evitar de colocar muitas cascas para não comprometer o sistema.

Até faço vez ou outra casquinha de limão, ou pedaços de casca em calda para usar em bolo e panetone, mas como o volume é grande e frequente, não tem receita que dê jeito.

Uma solução que acabei encontrando é usar algumas cascas de limão para produzir um desinfetante caseiro cheiroso, pra se misturar na água usada para passar pano na casa, em lugar de usar os produtos industrializados. Compostos na casca do limão tem efeito desengordurante e ajudam a limpar tranquilamente. E é a coisa mais simples de se fazer: é só colocar as cascas de limão em álcool líquido e deixar descansar.

Prefira usar álcool 70o. (mas se só encontrar o 46o., mais comum, faça também. Tenderá a ficar apenas mais suave). O único cuidado é retirar o bagaço do limão, pra você não precisar coar algum gomo depois na hora de usar. É como se faz para produzir casquinhas de limão: puxe o bagaço com a faca e ele sai. Aí é só partir em pedaços menores que sejam possíveis de se colocar em um vidro. Cubra com o álcool e deixe descansar num lugar escuro por pelo menos 20 dias.

A cor do álcool nesse tempo irá mudar para um verde-amarelado, e vai ganhar um cheiro delicioso.

E dá ainda pra brincar de criar aromas. Acrescentar alguns galhos de lavanda ao limão, por exemplo, é dos meus preferidos.

3 ideias bobas de chás

Comidas (e bebidas) são um universo muito grande de possibilidades, muito maiores do que aquilo que nos é vendido. E é muito gostoso perceber que nossos sabores são muito mais interessantes dos que os disponíveis nessas relações puramente comerciais com os supermercados.

Se limitar ao que é comumente vendido, rotulado, e anunciado impede que a gente mergulhe fundo na nossa criatividade. O meu convite é pra você exercitar essa “visão além do alcance” das prateleiras do supermercado numa xícara de chá.

Pra isso, tudo o que você vai precisar é esquecer das caixinhas de chá com sabores e quantidades pré-determinadas e abrir os olhos pras possibilidades ao redor de você.

Aqui eu resolvi te dar 3 ideias bobas, pra você entender como elementos insuspeitos se revelam quando colocados em contato com a água quente. Não se apegue a essas ideias, apenas pense nelas como pontos de partida pra você explorar as suas ideias. O mais importante é se sentir à vontade, e estar se divertindo enquanto inventa.


1. CAPIM LIMÃO (ou capim cidreira, capim santo)

Capim limão e gato
Capim limão e gato: uma ótima combinação pralém do chá

Eu não entendo porque usamos tão pouco capim limão, juro. Eu uso inclusive em comida salgada, e as pessoas sempre se surpreendem com isso. O fato de que essa é uma das plantas preferidas dos gatos é o maior indício de que isso é coisa boa.

Só de rasgar uma folha na mão a gente já percebe: é fresco, tem um cheiro mesmo que lembra limão, mas é mais sutil, suave.

Não é fácil achar capim limão fresco pra vender, e por isso a melhor maneira de você conseguir fazer essa experiência é arrumando uma muda. Que sorte!

Diferente da caixinha do supermercado, quando você arranca uma folha logo brota outra. Então vá, arrume um(a) amigo(a) e peça uma muda, ou compre uma em uma flora. Você estará levando pra casa uma caixinha de chá infinita. E um presente pro seu gato (pra quem é de gato).

E quando plantar, insista. As vezes o capim parece que não vai pegar, vai se arrastando feinho, e de repente começam a sair brotos novos. Não se preocupe com o tamanho do lugar onde colocá-los. Um vaso pequeno já serve.

2. Cascas de abacaxi

Uma fruta tropical, que começa a aparecer por aí assim que o verão chega.

Descascar abacaxi pode ser meio chato, mas sério: assim que você terminar estará prestes a provar um chá maravilhoso. Coloque parte da casca na água quente e você não vai se arrepender. Um chá com sabor delicado de fruta, levemente azedinho, e bem refrescante.

Você pode incrementar com um um pouco de hortelã, poejo, alecrim, quem sabe alguma especiaria: canela, zimbro, gengibre vão muito bem com abacaxi. Não tem regra, como nunca teve. As vezes esquecem de nos contar.

Se te parecer quente demais pra tomar chá, esse é um dos melhores pra você tomar gelado. Arrisque.

3. Gengibre

gengibre
Um pedaço de gengibre assim é suficiente pra fazer umas duas xícaras grandes de chá

Gengibre fresco dura meses na geladeira e por isso é fácil que você sempre tenha um à mão. Algumas fatias fininhas colocadas na água quente e você tem um dos melhores chás possíveis. Chá de gengibre perfuma a casa toda.

O que mais gosto no gengibre é a versatilidade pra se misturar com outros chás. Independente do sabor que estou fazendo, quando quero um chá um pouco picante coloco uma fatia de gengibre e de repente o chá ganha outro aroma.

15 minutos em infusão bastam, mas pra ficar bem gostoso, deixe o gengibre descansar por pelo menos uma hora na água quente.

 

Bom chá!