Os fracassos que não exibimos

No final de ano, quando as listas de melhores (livros, filmes, séries, fotos, momentos, etc) começam a aparecer, sempre me sinto um pouquinho peixe fora d’agua. Sou lembrada de que é humanamente impossível dar conta de todas as coisas, e invariavelmente tem sempre coisas que não vi, não li, e nem ouvi falar.

Acredito que listas de melhores são feitas com boas intenções, e podem ser úteis como referência pro próximo ano. Mas não consigo evitar o sentimento de que estou um pouco atrasada, e perdi algumas coisas que parecem legais. Sempre fico um pouco encolhida, pensando se simplesmente não estou fazendo escolhas erradas.

Semana passada fui escrever sobre uma tarefa que me dei em 2016 — a de escrever todos os meses sobre minhas experiências lendo livros. Falei um pouco de como esses escritos foram gratificantes pra mim, e como eu espero que eles possam ter sido interessantes pra quem lê do outro lado da tela. Fechei meu texto fazendo algumas listas, que não eram dos melhores livros, porque não consigo acreditar que existem “os melhores”. Se o que eu estava fazendo nos textos era falar de experiência, conclui que minha lista, além de pessoal, também é uma nota sobre o momento que vivo. E seria difícil escolher o melhor momento, pois todos se somam pra formar o que experimentei.

Difícil comparar entre minhas próprias leituras; imagine então comparar com as leituras alheias. Listas de melhores não seriam simplesmente arbitrárias, mas tarefa impossível sem considerar o contexto da escolha. Melhor em quê, pra quem?

Resolvi essa questão criando um pouco de contexto. Fiz listas que chamei de aleatórias, nas quais separei livros que abandonei, que não tive coragem de abandonar, livros que li que falavam sobre comida, livros que li enquanto viajava, ou que indiquei a alguém pelas mais diversas razões que não somente porque ele era “o melhor”. Tentei não pensar em nenhum tipo de hierarquia, pra diminuir o nível de competitividade e o sentimento de estar meio por fora de qualquer um que topasse com meu texto por aí.

Quando escrevo sobre comida, involuntariamente estou desenhando um pequeno ponto de uma lista de coisas que sei fazer bem, que gosto de fazer, ou que me sinto à vontade para falar sobre. É compreensível. Não falamos daquilo que fazemos mal, das coisas que não entendemos ao menos um pouco ou daquilo que deu errado. Como uma lista de melhores de final de ano, um blog sobre comida é uma lista pronta, pensada durante todo o tempo, pra mostrar coisas interessantes.

Não acho que mostramos nossos melhores, e escondemos nossos piores só por respeito à quem vem em busca de ideias, aprendizagem ou boa conversa. Também não acredito que reconhecer o fracasso é importante pra termos sucesso temos que ter tido milhares de fracassos antes. Os fracassos são mais que isso: são partes da vida, das nossas experiências, e não pedras no meio do caminho pro sucesso que uma hora podemos alcançar. O sucesso não é o fim, e pode inclusive nunca vir (o que é sucesso, aliás?). A lista de melhores, portanto, não é um bom resumo de qualquer ano.

Sempre tenho esperança de que as coisas que publico possam deixar uma vontade de se pensar sobre o ato de cozinhar, e todas as coisas que ele envolve: a importância das nossas microescolhas na cadeia cultural, afetiva, econômica, e a importância política de um trabalho que quase nunca é visto como um trabalho. Sempre me pergunto se consigo (ou conseguirei algum dia) fazer germinar essas ideias em atos práticos, de encorajamento, que levem outras pessoas não só a pensar sobre comida, mas a efetivamente valorizá-la, e fazê-la.

Mas em que medida, enquanto falo sobre as coisas que eu mesma faço, eu não intimido? Quanto mais insisto em me mostrar, ou mostrar o meu melhor, mais a cozinha pode parecer distante, e impossível de ser feita. A minha lista de melhores, ou tudo aquilo que eu publico, é também uma lista que precisa de contexto: as melhores coisas que eu, a carla que mora em Pato Branco, não tem um emprego formal, cozinha há 20 anos, e se interessa pelo assunto, consegue fazer (e achar fácil).

Tive um blog há quase 10 anos atrás, que não tinha receitas: eu só fotografava tudo o que cozinhava, contava os ingredientes, e esperava que aquelas ideias servissem de inspiração pra quem me lia. Embora muitas coisas tenham mudado nesse tempo, eu ainda penso muito sobre não criar regras sobre comida, e sobre receitas tão abertas quanto qualquer texto literário. Acima de tudo, nesses anos todos, continuo achando importante falar do assunto. Cozinhar exige certa coragem de arriscar, mesmo sabendo que o resultado pode sair errado. Nenhuma receita garante nada: é que nem na vida. Se o que eu publico tocar quem lê, fizer ter mais coragem, e se sentir mais livre pra errar e também acertar, vou conseguir aquilo que queria. E isso realmente não depende de que eu mostre apenas o que dá certo.

Como um antídoto pontual, contraponto das listas de melhores internet afora, e da lista contínua dos meus melhores que vou publicando a conta-gotas por aqui, resolvi fechar o ano falando das coisas que não deram certo. Aquelas coisas que fiz e que não ficaram boas, e não contei, mas que fazem parte da vida, porque mesmo que qualquer sucesso seja possível, elas continuarão a existir. Precisamos aprender a conviver com elas.

_DSC0126.JPG


Seis pratos difíceis de engolir que inventei de cozinhar em 2016:

1. Caldo verde feito com almeirão pão-de-açúcar — Em minha defesa, quero dizer que eu gosto de verduras mais amargas. E não tinha couve em casa. Tentei colocar esse almeirão de nome irônico, e achei que poderia sair um prato interessante, mas nossa. Foi como tomar uma sopa de purgante. Ficou horrível, o caldo inteiro ganhou um sabor muito amargo. Melhor nem fazer se não tiver couve.

2. Api — Em janeiro de 2016, aproveitando minha posição privilegiada de moradora quase da fronteira, passei 15 dias numa viagem de carro rumo ao noroeste Argentino, nas províncias de Salta e Jujuy. Trouxe de lá Api, que no meu portunhol sofrível, parecia farinha de milho vermelho, que eu deveria usar pra fazer uma bebida fermentada. Não era isso. Era um preparado em pó (feito suco em pó) de milho vermelho, mas cheio de açúcar e nem imagino mais o quê. Nada parecido com as Chichas que tomei por lá. Andei 1500km com meu achadinho, pra jogar tudo fora no Brasil.

3. Chuños — Nessa mesma viagem, comprei umas batatas desidratadas chamadas chuños. É um método de conservação dos incas, fiquei muito curiosa. A senhora que me vendeu tentou me avisar: era difícil fazê-las. Não escutei, trouxe, e ficaram parecendo papel cozido. Não sei se não soube usar, pois nem sei que gosto deveriam ter. A internet não foi capaz de me ensinar.

4. Massa fresca para 4 pessoas — Tem mais de um ano que só como macarrão feito em casa. O mais frequente é que façamos só pra mim e pro meu companheiro. Fica muito bom e a gente faz uma propaganda danada. Convidamos amigos pra participar do almoço e erramos o ponto do macarrão horrivelmente: cozinhou demais, ficou grudento, parecia que a gente nem sabia fazer o negócio. blé.

5. Fermentado de amora — Comprei umas duas caixas de amoras sem nem saber o que queria fazer com elas. Uma delas foi ficando na geladeira, e achei que o melhor seria fazer um suco e deixar fermentar, pra ficar gaseificado. O gosto ficou ok, mas não sei o que aconteceu que a consistência ficou levemente gelatinosa. Sentimos um nojinho enquanto bebíamos. irc!

6. Keffir — Ganhei mudas de keffir, uma colônia que fermenta leite e transforma em uma bebida parecida com iogurte (mas diferente). Trouxe de Belo Horizonte até o interior do Parará. Me animei a fazer, mas… não me animei a comer. Eu não gosto de leite, e o resultado final me deixou torcendo o nariz pro cheiro e pra aparência, e fiquei me perguntando: porque diabos inventei de fazer isso?

2 respostas para “Os fracassos que não exibimos”

  1. O Lucas gosta de inventar de vez em quando, aí ele deixa pra fazer isso quando eu tô viajando, porque muita invenção e possibilidade de dar errado me deixa nervosa (e quando eu tô com fome eu viro realmente o Hulk) . Tem vezes q ele tenta, dá errado, aí ele me fala “ainda bem que você não tava aqui” 🤣
    Quando eu fui pro Marrocos eu comprei um tempero que eu não sabia direito o que era, mas me disseram q era o que eles usavam na comida de lá. Tudo ficava bom, saudades Marrocos

    Curtir

    1. hahahah adorei a historieta! Fazemos as besteiras mas não dá pra deixar de tentar coisas diferentes quando tá viajando. Faz parte e como é bom quando a gente acerta (affe queria saber que tempero marroquino é esse rsrs)

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s