Cosmos no jardim comestível

Gosto de Cosmos desde que a época em que minha mãe morou em Caeté-MG, e eu em meados de novembro via uma quantidade dessas florzinhas pela estrada, quase chegando na cidade. Naquela época eu nem sabia o nome dessa planta, eu só gostava da simplicidade e da quantidade de florzinhas alaranjadas que pareciam crescer totalmente à revelia da mão humana.

Foi essa lembrança que me fez colher sementes a primeira vez que encontrei uma moita delas nascendo desavisada por aqui. E apesar de não ser aconselhável estocar sementes por muitos anos porque elas perdem o poder de germinação, eu mantive minhas sementes de cosmos por uns 2 anos antes de ter a oportunidade de usá-las. Mas na última primavera, morando na casa nova com meu quintal tela em branco, eu finalmente semeei.

Tem toda uma dificuldade de você fazer um projeto de jardim. Primeiro porque pra não ser muito frustrante, você precisa entender as necessidades de cada uma das espécies pra tentar oferecer a ela um canto do terreno que seja apropriado. Mesmo uma planta de fácil cultivo com o cosmos vai se sair muito melhor se vc escolher um canto que ofereça sol pleno, esteja numa área mais seca do terreno, já que aqui é uma região onde não há época de estiagem e com um volume pluviométrico médio bastante considerável, e ainda, que seja uma área em que ele fique particularmente bonito.

As primeiras flores de Cosmos a abrirem no meu jardim comestível, no fim do verão

Mas todo bom plano também tem outras variáveis. Os meus por exemplo, começaram com essa ideia de um eixo conceitual pro jardim, que é ser um jardim comestível. Não é uma horta, mas um jardim sim. Ainda que nem todas as plantas que tenho sejam comestíveis, eu privilegio de toda forma plantas que sejam – e muitas delas são pouco convencionais e coletadas, o que exige sempre pesquisa e olhos de águia. E também acho importante olhar pro conjunto das plantas, enxergando portes e cores que a gente vai conjugando pra criar algo que seja bem aprazível.

Por conta dessas coisas, e por também estar sempre trabalhando só eu e o marido no planejamento e na execução do jardim comestível, vou fazendo tudo bem devagar. O que não é uma coisa ruim porque me permite observar bem as plantas.

Resolvi semear o cosmos porque ela atendia várias dessas coisas. Primeiro porque ela é comestível. As flores podem ser usadas para fazer chás – deixam os blends particulamente mais bonitos, com uma coloração laranja suave, e também medicinais. Mas também podem ser usadas em saladas. As folhas são picantes, de sabor bem marcado, podem ser comidas cruas misturadas com outras folhas verdes de sabor mais suave. E claro, o que mais a sua criatividade mandar.

Mas outra prerrogativa dessa cosmos é a incrível cor laranja dessa espécie – existem outras plantas do gênero cosmos em outras cores, que também são comestíveis, mas essa, cujo nome científico é Cosmos sulphureus recebeu esse fazendo referência ao enxofre (em latim, sulphur), elemento químico que tem uma cor amarela intensa. Com o laranja do cosmos fui conjugando com seu tom complementar – o roxo/ azul, fazendo uma combinação bem harmônica. A combinação de cores é um aspecto muitas vezes subestimado por jardineiros amadores, mas usar elas a seu favor e agrupar flores que fazem uma coloração harmônica dá resultados incríveis.

Lavandas, Estrelitzas e Cosmos formando um conjunto harmônico de cores em um mesmo canteiro

Na região onde estão plantados os Cosmos também estão as lavandas (lavandula dentata, e agora em breve também a lavandula stoechas, o tal alecrim que era lavanda que contei o causo outro dia) e as estrelitzas, que embora não seja comestível, espertamente já conjuga o laranja e o roxo azulado numa única flor.

A estrelitza (Strelitza reginae), tão bonita com sua combinação de laranja com azulado que mereceu uma foto só dela

Agora é o último mês do outono, portanto época de recolher as sementes que aparecem quando as flores secam. A planta inteira na verdade começa a secar e morrer, e tudo certo, é uma planta anual, esse é o ciclo dela mesmo. Com certeza muitas sementes vão cair no chão e rebrotar no mesmo espaço quando a primavera chegar (assim eu espero), mas também quis me resguardar pro caso de algo não dar certo quando agosto chegar, ou quem sabe até expandir um pouco a área de cultivo, já que é uma flor tão bonita, gostosa e pouco exigente.

Sementes de cosmos, coletadas ao fim do ciclo da planta

As imagens e o texto deste post são autorais e tem propriedade intelectual protegida. Proibida a reprodução sem autorização da autora.